Inglês para profissões: por que é essencial aprender inglês para trabalhar na área da saúde?

By Hey Peppers!
In fevereiro 18, 2019
733 Views

As profissões possuem dialetos bem específicos que podem confundir quem não entende muito de inglês. Conhecer um novo idioma é essencial para trabalhar e se relacionar, principalmente em áreas tão complexas como a da saúde.

A língua inglesa é muito rica e com uma variedade de palavras para utilizarmos nos mais diferentes contextos. Por isso, não é à toa que cada área possui um vocabulário próprio e bem distinto. É supernormal ter contato com nativos da língua inglesa e descobrir palavras que você nunca ouviu na vida, principalmente se o assunto for algo muito específico. Se você é médico, enfermeiro, dentista ou faz outro trabalho relacionado à saúde, já deve ter tido dificuldade de encontrar conteúdos mais atualizados e em língua portuguesa sobre a sua área, certo?

Advocacia, medicina, engenharia, etc, possuem um tipo de dialeto muito específico, inclusive em português, com jargões que podem e precisam ser aprofundados quando é necessário aprender sobre uma profissão. No inglês não é diferente. Especialmente na área de saúde, o contato com um segundo idioma pode ser decisivo e essencial para alavancar e dar um rumo certeiro à carreira profissional.

Atualização profissional e novas oportunidades no horizonte

Para profissionais que atuam na área de saúde, os principais e mais atualizados estudos são escritos e divulgados em língua inglesa. Isso pode comprometer a compreensão e a atualização de quem nunca estudou o idioma ou de quem nunca se aprofundou sobre os assuntos durante as aulas de inglês, já que grande parte dos materiais são escritos com termos específicos e técnicos. Isso vale para médicos, enfermeiros, nutricionistas, dentistas, fisioterapeutas, educadores físicos, entre outros profissionais da área.

Mesmo quem é fluente no idioma pode ter uma certa dificuldade em entender alguns termos usados em artigos. Isso acontece porque são temas dificilmente abordados em salas de aula dos cursos de inglês. De modo geral, somos acostumados com as pautas mais usuais e básicas do nosso dia a dia. Durante as aulas é possível falar e ouvir o inglês do cotidiano, baseado naquilo que somos acostumados a viver. No entanto, é quando nos deparamos com um artigo científico, por exemplo, cheio de palavras técnicas, que vemos o quanto nosso estudo pode ser limitado e o quanto o inglês vai além de um idioma e se torna uma qualificação profissional.

Além de artigos e notícias específicas da área da saúde, grande parte dos equipamentos eletrônicos usados por aqui são desenvolvidos fora do país e se apropriam de um dialeto único usado pela área em que serão utilizados. Dessa mesma forma, seus manuais e guias de instruções são escritos em inglês e outras línguas e se você não entende esse funcionamento, o uso pode ficar bem mais complicado.  

É por este motivo que compreender além do básico é essencial para quem quer não só se atualizar na sua área, como também ter a possibilidade de estudar e trabalhar fora do país. Isso tudo sem falar das gírias. Se já são estranhas em português, imagina não compreender elas em um outro idioma!  

Pré-requisito para uma vaga de emprego

Regra número um para conseguir um trabalho nos Estados Unidos é ter fluência no idioma. Já imaginou chegar em uma entrevista de emprego e não saber metade do que seu futuro chefe fala? Complicado! E parece que por aqui também não é muito diferente. Falar uma segunda língua não é mais um diferencial. O pré-requisito para quem almeja uma boa vaga é falar inglês. O diferencial, muitas vezes, é a fluência em um terceiro idioma.

Não, o inglês não deixou e nem vai deixar de ser importante. A questão aqui é que ele se tornou básico para a maioria das atividades do mercado de trabalho e não compreendê-lo é quase como não dominar a língua portuguesa. Uma pesquisa da Catho Online mostrou os níveis mais altos dentro das companhias costumam ser ocupados por pessoas que são fluentes em inglês. Mais de 18% dos presidentes, 16% de vice-presidentes e 18% dos diretores possuem inglês fluente.

Educação continuada

Já pensou em continuar os estudos e fazer mestrado ou doutorado? O processo de ingressar nesses cursos pode ser bem estressante se você não está suficientemente preparado. São muitas etapas, provas, documentos comprobatórios. Estudar, se preparar, ler e reler o editar para não ter erros são processos básicos. E, bem, se você já pesquisou sobre o assunto, com certeza viu que é preciso ter proficiência em um segundo idioma para cursar sua pós-graduação, certo?

O curso de mestrado exige que você tenha o nível suficiente de um segundo idioma. Os testes geralmente exigem que o candidato possua habilidade de leitura e interpretação de textos em um nível mais avançado. Por isso, é preciso se preparar muito bem, já que a triagem dos candidatos é complexa e exigente.

Cada universidade possui suas próprias regras na hora de aplicar uma prova para mestrado ou doutora. Em alguns cursos de doutorado, por exemplo, pode ser pedida ainda a proficiência em um terceiro idioma. Ou seja, é praticamente impensável continuar com o estudo acadêmico sem ter o mínimo de entendimento em outro idioma.

Mas você sabe o motivo da exigência de um novo idioma? Se você deseja ingressar na vida acadêmica, independente da sua área, e se tornar um nome relevante quanto a sua atuação, é  extremamente necessário construir redes de relacionamento e contatos relativos aos seus estudos. Além disso, um vida acadêmica bem construída se baseia em apresentações em congressos, simpósios, submissão de trabalhos e a interação da sua obra com pessoas de todo o mundo. Resumo: o idioma não pode ser uma barreira para sua ascensão profissional e acadêmica.  

Relacionamento

Trabalhar na área saúde envolve questões delicadas, como o bem-estar físico e os sentimentos de seus clientes ou pacientes. Sabe o que também é extremamente importante e deve ser levado em consideração na hora de optar por um curso de inglês? O relacionamento interpessoal. Uma boa comunicação pode ser o diferencial necessário para ser tido como um bom profissional ou não.

Não há maneira melhor de relacionar com alguém que tentar compreendê-lo em todos os sentidos, e quebrar a barreira do idioma pode ser um ótimo começo! Seja no seu trabalho em terras tupiniquins ou fora do Brasil, saber como se relacionar com as pessoas de um jeito mais leve, independente do seu idioma, pode ser um diferencial e tanto para o seu crescimento profissional.

Deixe um comentário